Oportunidade para artistas e profissionais da música independente mineira

11/02/2010 às 13:32 | Publicado em Música | Deixe um comentário

Inscrições para o Edital de Passagens Adicional do Programa Música Minas podem ser feitas até o dia 2 de março


Músicos, cantores, produtores, estudiosos e técnicos que atuam no segmento musical mineiro tem somente até o dia 2 de março para se inscreverem no Edital de Passagens Adicional do Programa Música Minas.

Através do Edital, serão selecionados os artistas e profissionais que terão acesso a passagens aéreas para participação em eventos culturais nacionais e internacionais. O Edital e os formulários de inscrição já estão disponíveis no Blog do Programa Música Minas – musicaminas.blogspot.com e no site da Secretaria de Estado da Cultura – www.cultura.mg.gov.br. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone (31) 2511-8813.

O Edital de Passagens Adicional é uma ação do Programa Música Minas, iniciativa do Fórum da Música de Minas Gerais. O programa promove a exportação e disseminação da música mineira e conta com a parceria da Secretaria de Estado da Cultura de Minas Gerais.

Anúncios

Programa Música Minas lança Edital de Passagens Adicional

03/02/2010 às 14:18 | Publicado em Música, Projetos | Deixe um comentário

A iniciativa contribui para a divulgação da música mineira pelo país e pelo mundo, e promove a participação de artistas e profissionais em festivais, feiras e congressos

Direcionado a músicos, cantores, produtores, estudiosos e técnicos que atuam no segmento musical mineiro e que têm interesse em apresentar e promover seus trabalhos fora de Minas Gerais, seja no Brasil ou em outro país, o Edital de Passagens Adicional foi publicado na terça-feira, dia 2 de fevereiro, no Minas Gerais – Diário Oficial do Estado de Minas, no Site da Secretaria de Estado da Cultura e no Blog do Música Minas.

Este edital é uma ação integrante do projeto Programa Música Minas, iniciativa do Fórum da Música, que é formado pelas entidades: SIM – Sociedade Independente da Música, COMUM – Cooperativa da Música de Minas, AMMIG – Associação Artística dos Músicos de Minas Gerais, AAMUCE – Associação dos Amigos do Museu do Clube da Esquina e FEM – Fora do Eixo Minas. O programa promove a exportação e disseminação da música mineira e conta com a parceria da Secretaria de Estado da Cultura de Minas Gerais.

O Edital de Passagens Adicional irá atender as viagens previstas para os meses de março a maio de 2010, e os interessados podem obter mais informações e pegar os formulários para inscrição nos sites: musicaminas.blogspot.com e http://www.cultura.mg.gov.br.

Edital de Passagens Adicional
O Edital de Passagens Adicional foi viabilizado pelo rendimento de aplicação financeira de parte do valor destinado ao Programa Música Minas em 2009. Para o ano de 2010, a partir do mês de abril, será lançado um novo Edital que irá cobrir as viagens nos demais meses do ano.

O diferencial deste Edital é o pequeno prazo para a inscrição da proposta. Os interessados deverão atender o seguinte procedimento: propostas inscritas até o segundo dia útil de um mês deverão ter a data de viagem posterior ao 18º  dia útil do respectivo mês. Propostas inscritas após esse prazo deverão ter a data de viagem posterior ao 18º  dia útil do mês seguinte. Serão realizados dois processos de seleção, nos meses de fevereiro e março de 2010.

Outras informações: (31) 2511-8813
http://www.musicaminas.blogspot.com / http://www.programamusicaminas.com.br

Celso Moreira faz show do CD “Autoral” em Sabará

11/01/2010 às 13:53 | Publicado em Música | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Apresentação gratuita do músico mineiro acontece no Teatro Municipal

O violonista, compositor e arranjador mineiro Celso Moreira apresenta seu primeiro CD “Autoral” no Teatro Municipal de Sabará (Rua Dom Pedro II, s/n – Centro – 031 – 3671-1522), no sábado, dia 16 de janeiro. O show é gratuito e acontece a partir das 21 horas. Os ingressos devem ser retirados uma hora antes da apresentação.

Acompanhado por Milton Ramos (contrabaixo acústico), André “Limão” Queiroz (bateria) e Christiano Caldas (teclados), Celso se alterna entre o violão e a guitarra para desfilar com elegância e personalidade entre a MPB e o Jazz, tocando choros, sambas e baladas, que vem compondo ao longo de quase duas décadas.

Além das canções próprias interpretadas por Celso e trio, como “Helena”, “Lira do Bem Querer”, “O Mundo das Artes”, entre outras, o repertório do show contará com músicas de Agostinho Barrios, Baden Powell, Edu Lobo e Tom Jobim. O grupo sabarense Fofoca Erudita, formado pelas irmãs Juliana Buli e Mariana Lima, fará a abertura, a partir das 20 horas.

A apresentação faz parte do projeto “Turnê Minas de divulgação do CD Celso Moreira Autoral”, que também promoverá shows em Nova Lima (Teatro Municipal, dia 27 de fevereiro) e Belo Horizonte (Teatro da Biblioteca, dia 11 de março). O projeto é realizado através de recursos da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais, edital 2008, e do incentivo da Rede Verde Mar de Supermercados.

A produção do projeto e do show é do também compositor e cantor Saulo Sabino.

Celso Moreira
Celso Moreira nasceu em Guanhães e descende de uma família que sempre cultivou o gosto pela música, a exemplo de seu pai, Rivadávia Moreira e do irmão, o guitarrista e compositor Juarez Moreira.

Em 1968, mudou-se para Belo Horizonte, onde conheceu Toninho Horta, Nivaldo Ornelas, Wagner Tiso e Milton Mascimento. Desde então, desenvolveu uma bem sucedida carreira de músico, enquanto elaborava parcerias musicais com nomes importantes da MPB, como Fernando Brant e Murilo Antunes.

No ano de 2007, gravou e lançou “Celso Moreira Autoral”, seu primeiro álbum solo, contendo doze faixas de músicas próprias, acompanhado por grandes artistas mineiros, como André “Limão” Queiroz, Milton Ramos, Christiano Caldas, Kléber Alves e Ricardo Fiúza, com apoio da Lei Roaunet e patrocínio da CEMIG, do BDMG Cultural e da Seguradora Minas Brasil.

Celso Moreira é, essencialmente, autodidata, mas foi aluno de Nelson Farias e Sérgio Benevenutu, estudando harmonia e improvisação. Atualmente é professor de harmonia, guitarra e violão, contando com um elenco significativo de alunos, o que contribui para credenciá-lo a workshops e oficinas musicais.

Prêmios recebidos: Troféu “Faísca” 1992 como músico mais atuante do ano. Neste período, acompanhou Milton Nascimento em turnê pelo Brasil e pela Espanha com a ‘’Missa da América Negra’’. Em 2001, foi um dos quatro músicos que receberam o prêmio BDMG – Instrumental.

No ano de 2006, saiu novamente vencedor do prêmio BDMG – Instrumental, que teve como desdobramento dois shows no SESC Pompéia de São Paulo, um show em Belo Horizonte, no Teatro Sesiminas, um show no Teatro Municipal de Nova Lima, além da participação no Festival Internacional de Jazz (Tudo é Jazz) em Ouro Preto. Celso foi vencedor do Prêmio Marco Antonio Araújo BDMG Cultural como Melhor Disco Instrumental de 2007/2008.

Show de Abertura – Fofoca Erudita
Criado em 2005, em Sabará, o grupo Fofoca Erudita passou por mudanças na sua formação em 2006, quando saíram dois integrantes. Agora é composto pelas irmãs Juliana Buli e Mariana Lima. Filhas de pai luthier e mãe artesã, desde crianças, vivendo próximas da música e dos instrumentos do pai, já musicavam suas fantasias. Por isso, não é de espantar a qualidade musical das meninas, ponto chave na Fofoca.

Juliana Buli é formada em Artes Plásticas, figurinista, fotógrafa e integrante do coletivo de fotografia Menina dos Olhos. Mariana Lima é estudante de jornalismo, compositora do grupo e de trilhas sonoras para teatro, e ainda mantém o blog Na Divisa.

As canções ‘fofoqueiras’ têm como característica a intercessão de vários estilos populares: uma mistura de rock com samba, com bossa, com tango, entre outros. Buscam ser ousadas e divertidas, emocionando as pessoas. Por isso, o slogan do grupo – “Música sem frescura”. A descontração fica por conta também com o símbolo da Fofoca, uma galinha d’Angola.

No inicio de 2009, a Fofoca entrou em estúdio e gravou algumas canções no ‘modo artesanal’, que estão disponíveis no My Space da banda (myspace.com/fofocaerudita). Também há algumas músicas gravadas ao vivo no site http://www.fofocaerudita.blogspot.com.

Celso Moreira em Sabará – Show do CD “Autoral”

Sábado, dia 16 de janeiro
20 horas – Show de abertura do grupo Fofoca Erudita
21 horas – Show Celso Moreira “Autoral”
Local: Teatro Municipal de Sabará – Rua Dom Pedro II, s/n – Centro
Entrada gratuita – Ingressos devem ser retirados antecipadamente no local

Telefone: (031) 3671-1522

Biquini Cavadão volta ao Music Hall com sucessos dos anos 80

16/12/2009 às 17:39 | Publicado em Música | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Após passagem de sucesso por BH em abril deste ano, a banda Biquini Cavadão (Carlos Coelho, guitarra; Bruno Gouveia, vocal; Álvaro Birita, bateria e Miguel Flores da Cunha, teclados) volta ao Music Hall (Avenida do Contorno, 3239 – Santa Efigênia) dia 18 de dezembro, sexta-feira. No repertório, o grupo carioca traz músicas do mais recente álbum “Biquini Cavadão Anos 80 Vol. 2”, como os sucessos Índios, do grupo Legião Urbana; a incendiária Revoluções por minuto, do RPM; Envelheço na cidade, do Ira, Romance Ideal, hino romântico dos Paralamas do Sucesso, entre outras.

Foto de Duca Mendes

O show integra a Festa Supra Sumo. Antes e depois, o DJ Roy e o VJ Goulart apresentam ao público repertório de sucessos nacionais e internacionais que marcaram época. Em um telão gigante, serão exibidos videoclipes e vinhetas exclusivas para relembrar o supra-sumo da música.

Biquini Cavadão Anos 80 Vol. 2
Em 2001, o Biquini Cavadão lançou o disco ’80’, a primeira revisão do rock brasileiro feito por uma banda da mesma geração. O projeto incluiu canções dos principais artistas da época e os hits do grupo; gerou uma turnê de 200 shows por todo país, mais de 80 mil discos vendidos e culminou na gravação do primeiro DVD em 2004 – disco de ouro e DVD de platina. Agora, a banda lançou o CD e o DVD “Biquini Cavadão 80 Volume 2”. Ao contrário do primeiro, em estúdio, este foi gravado ao vivo no Circo Voador, Rio de Janeiro.

Foto de Planet Show

Para o segundo volume, a banda continuou a busca pelo que de mais expressivo aconteceu na década. O deboche, o humor, o protesto, o romantismo e a melancolia do Brock foram relembrados na apresentação de versões modernas. Abre o DVD a música Exagerado, sucesso na voz de Cazuza. Outra composição do roqueiro que integra o trabalho é Bete Balanço. O grupo reverencia a banda Capital Inicial com a faixa Música urbana. A divertida Inútil, de 1983, da banda Ultraje a Rigor, também mereceu versão do Biquini. Já Vida Louca Vida, faixa do álbum Vida Bandida, de Lobão e Astronauta de Mármore, da banda Nenhum de Nós são da leva mais melancólica de 80. Teoria é o única canção do próprio Biquini, do disco “Zé”, de 1989.

Na gravação, o Biquini Cavadão reuniu amigos para reler os clássicos. O vocalista da banda Detonautas, Tico Santa Cruz levou com o grupo a música de protesto Índios, hit do grupo Legião Urbana. A incendiária Revoluções por minuto, do grupo RPM, contou com a participação de Hudson. Envelheço na cidade, hit de 1986 do Ira, tem participação especial de Egypcio, vocal da banda Tihuana. A cantora Claudia Leitte dividiu com a música Romance Ideal, hino romântico dos Paralamas do Sucesso.

Music Hall – Dia 18 de Dezembro – Sexta-feira
Projeto Eu Faço Cultura apresenta:
Festa Supra Sumo Anos 80 com Biquini Cavadão

Abertura da Casa – 22 horas.

Ingressos
Pista:

1º lote – R$50,00 (inteira) / R$ 25,00 (meia-entrada)  (ESGOTADO)
2º lote – R$70,00 (inteira) / R$ 35,00 (meia-entrada)
3º lote – R$90,00 (inteira) / R$ 45,00 (meia-entrada)
4º lote – R$110,00 (inteira) /R$ 55,00 (meia-entrada)

Camarote:
1º lote – R$70,00 (inteira) / R$ 35,00 (meia-entrada) (ESGOTADO)
2º lote – R$90,00 (inteira) / R$ 45,00 (meia-entrada)
3º lote – R$110,00 (inteira) / R$ 55,00 (meia-entrada)
4º lote – R$130,00 (inteira) /R$ 65,00 (meia-entrada)

Classificação Etária: 18 anos. Menor de 18 anos é permitida a entrada somente acompanhada pelo responsável legal ambos munidos de documentos com foto.

Venda de Ingressos: Bilheteria do Music Hall, de segunda a sábado, das 12 às 20 horas, loja 5ª Avenida (27C no 3º piso), Leitura Megastore BH Shopping, pelo site http://www.ingressorapido.com.br e telefone 4003-1212.

Cliente da Supra Sumo que se cadastrar no site http://www.suprasumo.net garante meia-entrada (pista).

Outras informações – Telefone: 3461 4000 e http://www.musichallbh.com.br

Assessoria de Imprensa – CL Assessoria em Comunicação – 3274 8907

CÉU no Music Hall

19/11/2009 às 19:57 | Publicado em Música | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Cantora apresenta o show de lançamento do CD ‘Vagarosa’

No próximo dia 27 de novembro, sexta-feira, a cantora e compositora Céu apresenta pela primeira vez em Belo Horizonte o seu novo show “Vagarosa”, no Music Hall (Avenida do Contorno, 3239 – Santa Efigênia). O projeto da turnê foi selecionado entre mais de 600 inscritos no Edital Nacional 2008 do programa Natura Musical. “Estamos entusiasmados com nossa parceria com a Céu. Uma cantora bem contemporânea que traz em sua musicalidade elementos universais, além de expressar a alma brasileira e muita feminilidade”, afirma Renata Sbardelini, gerente de marketing institucional da Natura.

Céu - Foto de Marcelo Gomes

O show tem no repertório canções do CD homônimo, como “Cangote” (Céu), “Comadi” (Céu/Beto Villares) e “Sonâmbulo” (Céu/Serginho Machado/Bruno Buarque/DJ Marco/Lucas Martins/Guilherme Ribeiro). O roteiro também faz um passeio pelas músicas do primeiro CD “Céu”, de 2005, como “Roda” (Céu/Beto Vilares), “Malemolência” (Céu/Alec Haiat) e “Lenda” (Céu/Alec Haiat/Graziella Moretto).

No palco, Céu, que também é responsável pela direção musical, estará acompanhada pelos músicos Guilherme Ribeiro (guitarra, teclados e acordeon), Lucas Martins (baixo), Bruno Buarque (bateria) e o DJ Marco (MPC e pick up). O projeto de luz é de Fernanda Carvalho e o figurino de Milli Whitaker.

Céu - Foto de Marcelo Gomes

Graveola (Show de abertura)
Surgido na Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG, em meados de 2004, o grupo emergiu das rodas de violão como um trio que se reunia informalmente para tocar um repertório tão diverso quanto eclético, em que se misturavam clássicos da grande música brasileira a fragmentos da cultura pop mais deslavada e corrompida. Interessados nesse processo de “liquificações sonoras”, os então estudantes de graduação Luiz Gabriel, Marcelo e José Luis começaram a se reunir com mais freqüência, intensificando a produção.

A partir daí um repertório próprio começa a ser esboçado, cheio de absorções irresponsáveis, dos mais variados gêneros: oscilam entre o lirismo e o deboche, das canções consagradas aos jingles televisivos. Nessa época, a falta de instrumentos comuns – e a falta de formação musical – os leva a incorporar utensílios domésticos e instrumentos de brinquedo como ferramenta sonora – o que acabou por lhes dar o subtítulo do grupo, o lixo polifônico, imagem a que dedicam constante divagação conceitual e reescrita, em seus verborrágicos releases e peças de divulgação.

Da continuidade e fertilidade desse processo, novos integrantes foram se juntando, o grupo foi crescendo, ganhando fôlego e reconhecimento. Em 2007, integraram a programação dos festivais de inverno de Ouro Preto e Diamantina, e tocaram na abertura do festival forumdoc.bh.2007 – em show nos jardins internos do Palácio das Artes, que contou com a inusitada participação da dupla (na verdade, um trio) Zé do Poço e Sarieiro. Já no ano de 2008, por meio de projeto aprovado no Fundo Municipal de Cultura de BH, entraram em estúdio para gravar seu primeiro disco. Hoje a banda conta com sete membros: Flora Lopes, Marcelo de Podestá, Luiz Gabriel Lopes, José Luis Braga, Yuri Vellasco, João Paulo Prazeres e Bruno de Oliveira.

Natura Musical
É o programa de apoio à cultura brasileira da Natura com foco em música. Tem por missão estimular e difundir a música raiz-antena. A música que resulta do encontro de elementos tipicamente brasileiros com conceitos, ideias e sonoridades universais.

O programa beneficia projetos de diferentes estágios e processos da música brasileira. Até hoje, cerca de 115 projetos foram selecionados, atingindo as seguintes marcas: mais de 205 apresentações de artistas variados; 124 workshops, oficinas e palestras ministradas; 36 CDs e DVDs gravados; 6 livros produzidos; 5 projetos de pesquisa finalizados; além de festivais, exposições e seminários. Ao todo, 17 estados de todas as regiões do Brasil foram contemplados e mais de 200 mil pessoas beneficiadas.

Entre os patrocinados, destacam-se projetos de todo o Brasil, como a turnê e CD ‘Labiata’, do cantor Lenine; o site biográfico Caymmi Acervo Digital, portal que reúne acervo de 70 anos de carreira do músico Dorival Caymmi; o CD ‘Afrosambajazz’, dos músicos Mario Adnet e Philippe Baden Powell; além da parceria com a cantora Marisa Monte com turnê ‘Universo Particular’ e o filme O Mistério do Samba.

Sobre a Natura
A Natura é a maior fabricante brasileira de cosméticos e conta atualmente com 5.698 colaboradores. A empresa opera por meio da venda direta e contabiliza 850 mil consultoras e consultores no Brasil e no Exterior. A marca também está presente nos sete maiores mercados da América Latina: Argentina, Peru, Chile, México, Venezuela, Colômbia e México. Na França, em Paris, a corporação mantém a sua única loja mundial e um centro-satélite de pesquisa e tecnologia.

Music Hall – sexta-feira – Dia 27 de novembro
CÉU no lançamento do CD “Vagarosa”
Show de abertura: Graveola
Abertura da casa – 21 horas.

Ingressos: (VALORES SUJEITOS A ALTERAÇÕES SEM AVISO PRÉVIO)

Preços: R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia-entrada)

Classificação Etária: 18 anos.

Venda de ingressos sem taxa de conveniência:
Bilheterias do Music Hall, de segunda a sábado, das 12h às 20h.
Venda de ingressos com taxa de conveniência:
Livraria Leitura BH Shopping
Loja 27C no Shopping 5a Avenida
site http://www.ingressorapido.com.br (consultar taxa pelo telefone 31 4003 1212)

Meia-entrada: De acordo com Recomendação do Ministério Público, a meia-entrada é válida para estudantes mediante a apresentação da carteira de estudante válida, acompanhada de comprovante de matrícula e/ou freqüência – será exigido na compra do ingresso e na entrada da Casa. Está limitada a 30% dos ingressos disponíveis, não se aplicando às áreas Vip e Camarotes.

Outras informações – Telefone: 3461 4000 e http://www.musichallbh.com.br

Assessoria de Imprensa BH
CL Assessoria em Comunicação – 3274 8907

 

Marcello Dinis apresenta novo show “Sem Começo nem Final” no Teatro Alterosa

18/11/2009 às 19:56 | Publicado em Música | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

No dia 26 de novembro (quinta-feira), às 21 horas, o cantor e compositor Marcello Dinis, estará no Teatro Alterosa (Av. Assis Chateaubriand, 233 – Fone: 3237 6611 – Floresta), para lançar seu mais recente CD “Sem Começo nem Final”. Este show faz parte da turnê “Expresso Teixeira de Cultura”, que o cantor divinopolitano, está fazendo por diversas cidades mineiras.

Marcello Dinis - Foto de Cristiano Quintino

Marcello Dinis 2 foto Cristiano Quintino

Acompanhado por um quarteto de bambas da música mineira, Marcílio Rosa (guitarra) Cássio Tiso (backing vocal) e dos irmãos Dinho Mourão (bateria) e Alexandre “Boi” Mourão (baixo), além da participação de Tunico Villani (berimbau, percussão), Marcello apresentará ao público as músicas que compõe seu mais recente CD, composto por canções gravadas ao longo de sua trajetória artística.

Marcello Dinis é um dos mais prestigiados cantores de Minas, seu trabalho é reconhecido pela originalidade, inspiração e criatividade. Com dezessete anos de carreira, tem cinco discos gravados: “Balaio de Gato” (1992), “Claro” (1998), “Central de Minas ao vivo” (2001), “Toca Minas” (2005) e “Sem Começo nem Final” (2009).

Marcello Dinis
Dinis é natural de Divinópolis. Cantor, compositor e produtor da mais fina e autêntica música popular do Brasil, cursou violão clássico e musicalização na Fundação de Educação Artística em Belo Horizonte; foi integrante do Coral Newton Paiva como barítono apresentando-se em concertos, peças teatrais, óperas, coro de orquestra e festivais internacionais pelo Brasil. Fez parte do coro que acompanhou Roberto Carlos no Ginásio do Mineirinho em Belo Horizonte (MG), por três anos consecutivos.

Marcello Dinis começou sua carreira na capital mineira. Nos anos 1990, participou do Projeto Caldos e Canjas, projeto onde se apresentava com sua banda formada com Paulinho Carvalho (baixo), Mário Castello (bateria) e Marcelo Lima (teclados), com presença e participação de Paulinho Santos (Uakti), Robertinho Silva, Toninho Horta, Esdras Neném, Cláudio Venturini, Telo Borges, e outros grandes nomes da música brasileira.

Premiado em diversos festivais pelo interior de Minas, têm na agenda shows realizados nas cidades do Rio de Janeiro, São Paulo, Maceió (AL), Recife (PE), Vitória da Conquista (BA), além de ter percorrido mais de 400 cidades de Minas nas mais diversas regiões.

Gravou seu primeiro disco, o “Lp” “Balaio de Gato” em 1992, parceria com Alexandre Az e Sérgio Misan. Uma das canções, Alô de Londres, foi incluída no CD “Bateia”, de 1995, produzido com o melhor da música feita em Minas à época.

Em 1998, junto de seus parceiros Júlio Costa Val e Cassio Tiso lançou o álbum “Claro”, com participações especiais de Túlio Mourão, Gê Lara, Lemão, Chico Amaral e Tambolelê. O projeto gráfico foi realizado pelo designer Otávio Bretas, com ilustrações do cartunista Aroeira.

Em 2001, no Teatro Sesiminas em Belo Horizonte, gravou ao vivo o CD “Central de Minas”, registrado também pela Rede Minas de Televisão e exibido no programa “Especial Rede Minas”.

No final de 2005, gravou em Belo Horizonte o CD “Toca Minas” com a função de registrar suas composições e de Tunico Villani. Álbum produzido de forma independente que contou com a participação de músicos reconhecidos nacional e internacionalmente, entre eles, Décio Ramos (Uakti), Paulinho Carvalho, Claudio Faria, Dinho Mourão, Eduardo Delgado, Tatá Spalla, Alexandre Lopes, Alexandre Az, Marcelo Lima, Julinho Barbosa, Bruno Pimenta e Grupo Zé da Guiomar, além de parcerias com Helmut Gondim, Altino Filho, Paulinho Motta, Soninha Silva e Celeste Brandão.

O CD “Sem começo nem Final” é o registro das 15 músicas selecionadas entre os quatro discos lançados, para representar 15 anos de carreira. E nele, está incluído um bônus interativo com clipe, entrevista e faixa exclusiva de show ao vivo.

Show: Marcello Dinis apresenta “Sem Começo nem Final”
Teatro Alterosa – Dia 26 Novembro – 21 horas
Ingressos: R$2,00
Outras informações: 3237 6611

Assessoria de Imprensa: CL Assessoria em Comunicação – (31) 3274 8907
www.marcellodinis.com.br

Beatriz Rodarte lança “Circo de Ilusões” no Teatro Dom Silvério

16/11/2009 às 17:56 | Publicado em Música, Uncategorized | Deixe um comentário


Cantora e compositora belo-horizontina traça um retrato de sua carreira no primeiro álbum solo

 

O cenário da nova música mineira é pródigo em boas cantoras e Beatriz Rodarte confirma mais uma vez esta tendência, com influências de toda diversidade da MPB, do soul, da black music e da música latina. No dia 19 de novembro, (quinta-feira) às 21 horas, a compositora e cantora faz o show de lançamento de seu primeiro CD “Circo de Ilusões” no Teatro Dom Silvério (Av. Senhora do Carmo, 230 – Savassi). Antenada em tudo que se produz da boa música mundial, Beatriz liquidifica suas referências e dá o tempero perfeito para criar uma identidade única e extremamente musical.

Beatriz Rodarte tem imensa qualidade artística e potência vocal. Com um pandeiro nas mãos, tocando guitarra e um trovão nas cordas vocais, Beatriz encanta públicos de todas as idades. A artista agora celebra com seu público um marco em sua carreira, o lançamento de seu primeiro CD.

Neste álbum, Beatriz se mostra mais madura e preparada para abraçar este trabalho autoral. Seu talento como intérprete e instrumentista aparece em performances viscerais com grande presença de palco e interação com o público. No show, a cantora estará acompanhada pelos músicos Guto Padovani (bateria), Cristian Tunes (baixo), Daniel Guedes (percussão), Danuza Menezes (percussão), Claudio Pereira (guitarra) e Richard Neves (teclado). A apresentação contará ainda com algumas participações muito especiais: o gaitista Leandro Ferrari; o cantor Márcio Bragança (RJ) e o rapper Cubanito.

CD “Circo de Ilusões”

Todos esses anos de estrada resultaram em muita musicalidade e sofisticação que aliados ao talento e personalidade de Beatriz Rodarte, resultaram em um trabalho contundente. “Circo de Ilusões” é a verbalização da maturidade musical da cantora. O CD traz composições inéditas, grandes parcerias e até mesmo a grata surpresa de uma novíssima versão de “Nothing Will Be As It Was” de Milton Nascimento e Ronaldo Bastos, completamente personalizada para a interpretação de Beatriz.

Alexandre Az e Tino Gomes, dois nomes de peso no cenário musical mineiro, presentearam a cantora com “Pode Tudo Acabar”, uma bela canção de amor tendo uma crítica social contundente como pano de fundo. Além dos já renomados, novos compositores estão produzindo e divulgando, em constante parceria com Beatriz Rodarte, o que de melhor vem sendo produzido na música mineira. Estes jovens talentos são Tom Nascimento e Cristian Tunes. O primeiro, autor das músicas “Declaro”, “Cometa”, “Mossamba” e “Declaro”. O segundo, compositor da canção “Dia Claro”.

Em seu repertório original, Beatriz Rodarte expõe sua intimidade, seus questionamentos e vivência numa seleção musical cheia de suingue e alto astral. A canção que dá nome ao CD, “Circo de Ilusões”, composta aos 14 anos, representa o ponto crucial da vida da artista, o momento de sua opção pela arte, em metáforas lúdicas e bem trabalhadas.

Se por um lado “Menino Meu Mal” é uma verdadeira ode ao amor romântico, “Para Este mundo que eu quero descer” mostra um eu lírico visceral, autêntico, apaixonado e muito decidido.

“Sem Nexo” é a mais verdadeira expressão de uma explosão de sentimentos e da vontade de abraçar o mundo com tudo de bom e ruim que ele tem para oferecer sempre com muito alto astral.

Irreverência e bom humor também são características marcantes de Beatriz Rodarte, que explora seu lado descontraído na música “Não me leve a mal”, que descreve contatos imediatos de terceiro grau.

Beatriz Rodarte

Mineira de Belo Horizonte, Beatriz Rodarte descobriu sua veia artística ainda criança, aos dez anos, tendo aulas de canto com seu mestre Maurício Tizumba. Seu processo de composição veio quatro anos mais tarde, e daí em diante não parou mais. Participou de inúmeros projetos musicais como Trampolim, Canto em Qualquer Canto, Ensaio Aberto, Mostra de Cantores, dentre outros.

Beatriz Rodarte

Foto Gianfranco Briceño

Ganhou o Concurso de Jingles da Escola da Babaya, pela composição do Jingle “Cantar é Dez” que foi veiculado nas rádios em Minas. Fez parte do grupo Tambor Mineiro, participando da gravação do primeiro CD “Tambor Mineiro”, e com ele já dividiu o palco com Chico César, Paula Santoro, Pedro Luis, Milton Nascimento, dentre outros.

Aos 20 anos, foi escolhida como uma das vozes femininas da renomada banda de baile Pendulum, que integrou por cinco anos. Em sua história musical, Beatriz coleciona participações nos CDs da Banda Pendulum, Alexandre Az, Banda Alcalyno, Trio Jerimum e Trio Bodocó. A cantora também faz parte do grupo Harém da Imaginação. Como intérprete, Beatriz Rodarte gravou diversas músicas, inclusive a versão da música “My Romance” titulada em português “Meu Amor” de Pacífico Mascarenhas.

Beatriz Rodarte

Foto Gianfranco Briceño

Já fez shows com os seguintes artistas: Pedro Morais, Tom Nascimento, Nathy Faria, Márcio Bragança (RJ), Anthonio (Candome System), Affonsinho, Luiz Melodia, banda Rubato Gandaia (SP), entre outros. Atualmente a cantora se dedica à carreira solo, fazendo shows em várias casas noturnas pelo país, e à divulgação de seu primeiro CD “Circo de Ilusões”, cuja turnê de lançamento tem início em novembro deste ano.

 

“Circo de Ilusões” – Ficha Técnica do show

Direção artística: Beatriz Rodarte

Direção musical: Alexandre Mourão

Direção de cena: Babaya

Figurino: Lucy in the Sky e Júlia Braga

Cenário: Júlia Braga, Glauber Apisela

Banda: Guto Padovani (bateria), Cristian Tunes (baixo), Daniel Guedes (percussão), Danuza Menezes (percussão), Claudio Pereira (guitarra), Richard Neves (teclado)

Participações especiais: Leandro Ferrari (gaita), Márcio Bragança (vocal-RJ) e Cubanito (rapper).

Equipe técnica: Fernando Cabrito (técnico de Som), Heverson dos Santos e Ivan Grossi (roadies), Leandro Azeitona (responsável Técnico)

Projeto e Operação de Luz: Adézio Fialho

Produção Executiva: Leandro Calazans e Thalita Matta Machado.

APOIOS: ACÚSTICO ESTÚDIO e LUCY IN THE SKY

 

Beatriz Rodarte – Lançamento do CD “Circo de Ilusões”

Coquetel de autógrafos após o show

 

Data: Dia 19 de novembro, quinta-feira

Local: Teatro Dom Silvério – Av. Senhora do Carmo, 230 – Savassi

Horário: 21 horas

Ingressos: R$20,00 (inteira) e R$10,00 (meia)

 

Os valores de meia-entrada são válidos para: • Estudantes regularmente matriculados na rede oficial de ensino, público ou particular, de 1º, 2º e 3º graus e cursos pré-vestibulares credenciados junto à UNE ou UBES; •O estudante deverá apresentar a sua carteira com foto, acompanhada do comprovante da mensalidade ou matrícula do estabelecimento de ensino do ano letivo vigente e documento de identidade, tanto na compra do ingresso na bilheteria quanto na entrada do show; • A meia-entrada é também garantida aos menores de 21 anos e maiores de 60 anos, mediante apresentação de documento com foto.

Formas de pagamento: Cartões de Crédito, Cartões de Débito e Dinheiro.

Pontos de Vendas: Bilheterias do Chevrolet Hall (De segunda à sábado, das 12 às 20 horas. Domingos e feriados, das 14 às 20 horas) Ticketmaster: teleingressos: 0300 789 6846 e pelo site www.ticketmaster.com.br

Classificação: Livre

Informações: (31) 3209-8989

 

Assessoria de Imprensa: CL Assessoria em Comunicação – (31) 3274 8907

 

SESI-MG leva Festival Bandas de Cá a São Lourenço no próximo domingo (15/11)

11/11/2009 às 17:07 | Publicado em Música, Projetos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Praça Brasil irá receber desfile de bandas de música tradicionais, espetáculos com bonecos gigantes e Concurso de Arranjos

A boa música de Minas Gerais é o destaque do Festival Banda de Cá, que no próximo dia 15 de novembro (domingo) levará à Praça Brasil, a partir das 9h30, o Encontro de Bandas, no qual se apresentam 12 agremiações da cidade e região, escolhidas pelo Centro de Referência Musicológica José Maria Neves de São João Del Rei (Cerem). Além disso, a programação inclui a semifinal do I Concurso de Arranjos para Bandas Tradicionais de Música. Sempre com entrada franca, o evento já reuniu milhares de pessoas, desde meados de outubro, nas cidades de Ouro Preto, Barão de Cocais, Tiradentes,  Diamantina e Juiz de Fora.

Festival Bandas de Cá - Foto de Helder Ferrer

Festival Bandas de Cá - Foto de Helder Ferrer

Encontro de Bandas em São Lourenço
O Encontro de Bandas tem o objetivo claro de levar ao conhecimento do grande público o trabalho das bandas tradicionais de Minas. Além de opção de entretenimento e turismo, o evento vem ainda resgatar um rico acervo cultural de grande tradição e que muitas vezes permanece desconhecido. “É uma forma de promover intercâmbio do tradicional com outras manifestações artísticas, valorizar a auto-estima dos artistas e a própria arte”, afirma o gerente de Cultura do SESI-MG, Cláudio Marcassa.

Festival Bandas de Cá - Foto de Helder Ferrer

Festival Bandas de Cá - Foto de Helder Ferrer

O encontro começa às 9h30 com o desfile das bandas em uma tradicional jardineira do ano de 1918. O veículo levará a Banda Curió de Minas (criada especialmente para o festival), sob a regência do maestro Teófilo Helvécio, e um boneco do compositor mineiro Ary Barroso, que é o grande homenageado do Festival.

O público poderá assistir também a um desfile-espetáculo dos bonecos anões gigantes de Mariana (Cia Navegante de Teatro), com o espetáculo Bloconeco, dirigido por Catin Nardi. O evento será encerrado com apresentação da Banda Curió de Minas, que também irá executar os três arranjos concorrentes na semifinal do Concurso de Arranjos.

As crianças também poderão contar com uma programação especial no  espaço Recreio Musical, onde os pequenos brincam de fazer som. Além disso, há também uma exposição interativa em que é possível conhecer e ouvir os sons de diferentes instrumentos musicais.

Bandas que se apresentam em São Lourenço
Sociedade Musical Antônio de Lorenzo (São Lourenço)
Corporação Musical Arte-Integração Intanhanduense (Itanhandu)
Corporação Musical Dom Inocêncio (Campanha)
Banda de Concertos CEMVA (Campanha)
Sociedade Musical Matiense (Matias Barbosa)
Corporação Musical União de Machado (Machado)
Corporação Musical São Pio X (Machado)
Lira Nossa Sra. das Dores (Gonçalves)
Corporação Musical Gaspar Carneiro (Pedralva)
Banda de Música 12 de Maio (Cambuquira)
Corporação Musical Antonio de Freitas Carvalho (Cristina)
Sociedade Musical 1º de Maio (Santos Dumont)

I Concurso de Arranjos
O Concurso irá premiar compositores e arranjadores de todo o Brasil que apresentem trabalho de qualquer tema, desde que seja música brasileira. Arranjo é a adaptação de uma composição para a execução por um grupo específico de vozes ou instrumentos musicais, neste caso, as bandas tradicionais de música.

Dentro todos os arranjos inscritos, uma comissão julgadora formada pelo Cerem selecionou 15 arranjos para serem executados pela banda Curió de Minas nas cidades que receberão o festival. Além de músicos de várias cidades de Minas, artistas de estados como Piauí, Distrito Federal, Sergipe e Santa Catarina também se inscreveram.

Em cada município ocorreu a apresentação de três arranjos, entre os quais um foi selecionado. Em São Lourenço, será realizada a semifinal do concurso, com a escolha das três melhores composições. O vencedor vai ser conhecido na grande final, no dia 29 de novembro, em São João Del-Rei. Ao final do evento, será gravado um CD com as 15 músicas/arranjos finalistas e editado um livro de partituras.

Calendário do Festival Bandas de Cá

São Lourenço
Data: 15 de Novembro
Local: Praça Brasil

São João del-Rei – Encerramento
Data: 29 de Novembro
Local: Av. Pres. Tancredo Neves de Almeida

FESTIVAL BANDAS DE CÁ – ETAPA SÃO LOURENÇO
ENCONTRO DE BANDAS E CONCURSO DE ARRANJOS

Data: 15/11, domingo
Horário: 9h30 às 21h
Local: Praça Brasil
Mais informações e regulamento do Concurso de Arranjos: http://www.artbhz.com.br
Informações para o público: (32)2211-7295
Entrada franca

Assessoria de Imprensa: CL Assessoria em Comunicação
Christina Lima e Marcos Vinícius dos Anjos
(31)3274-8907 // (31)9775-8907 // (31)9999-8922

Assessoria de Comunicação Corporativa do Sistema FIEMG
(31)3263-4449

Elba Ramalho apresenta no Music Hall show acústico do novo CD “Balaio de Amor”

28/10/2009 às 18:09 | Publicado em Música | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Comemorando 30 anos de carreira, a cantora Elba Ramalho vem a BH apresentar seu álbum festivo, lançado em maio deste ano, que reúne baiões e xotes de compositores pós-Luiz Gonzaga. O show será no Music Hall (Av. do Contorno, 3239 – Santa Efigênia), dia 30 de outubro, sexta-feira, e terá abertura do grupo de forró mineiro “Trio Clandestino”.

Elba Ramalho credito Renato Filho3

Foto de Renato Filho

Ao lançar em 1979, seu primeiro álbum “Ave de Prata”, Elba Ramalho ingressava pela porta da frente no cenário cultural brasileiro. O país estava diante de uma nova artista extremamente original e de performances incendiárias. Passadas três décadas, Elba alcançou muito mais que os horizontes do sertão. A intérprete de sucesso, com seis discos de platina e 13 de ouro acumulados, celebra sua trajetória com o disco “Balaio de Amor” (Biscoito Fino), uma ode ao Nordeste.

Elba define o CD como uma homenagem ao baião e ao xote que, assim como o samba, têm a essência na brasilidade. “São canções que sobreviverão porque fazem parte da tradição de um povo”, afirma. Além disso, acrescenta, são músicas românticas, relativamente simples, mas de uma poesia muita rica. “É um deleite para os ouvintes mais atentos. Um disco de amor, cheio de recados para quem gosta de dançar e que mostra uma alegria essencialmente nordestina. Tem muita sensibilidade”, define.

Em “Balaio de Amor”, Elba retoma uma das principais características de sua carreira: a aposta em talentosos compositores, principalmente da Paraíba e de Pernambuco. Foi a intérprete quem primeiro gravou uma canção de Lenine e ajudou a projetar Geraldo Azevedo, Belchior, Chico César, Lula Queiroga e outros. Produzido pelo compositor e músico Cezinha, o CD reúne uma canções, com belas melodias e letras poéticas, compostas por artistas que dificilmente rompem a barreira geográfica nordestina.

Elba Ramalho credito Renato Filho5

Foto de Renato Filho

A cantora optou por selecionar músicas que soassem praticamente inéditas nas demais regiões do país. “Algumas delas são conhecidas pelos nordestinos e o povo acompanha as letras. Sempre fiz bem este trânsito do Nordeste com os outros cantos brasileiros, em meio a essa geografia imensa”.

De compositores já consagrados no eixo Centro-Sul do país, apenas duas faixas de Dominguinhos e uma de Nando Cordel. Do sanfoneiro, com quem já dividiu um álbum, registrou “Riso Cristalino”, parceria com Climério Ferreira, e “Ilusão Nada Demais”, com Fausto Nilo, que conta com o sax soprano de Leo Gandelman.

Parceiro de Dominguinhos em dois supersucessos de Elba Ramalho; “Gostoso Demais” e “De Volta pro meu Aconchego”, Nando Cordel contribui com “É só Você Querer”, gravada em duo com Cezinha, que já inclui a trilha sonora da novela Caras e Bocas, da Rede Globo. Com introdução lenta e dedilhada ao violão, a melódica composição conta com belo arranjo de cordas e samplers de cordas.

Elba Ramalho credito Renato Filho4

Foto de Renato Filho

Os demais compositores que fecham as 14 faixas do CD são em grande parte responsáveis pela renovação do forró – hoje já tão diversificado em subgêneros, como o pé-de-serra, o de latada e o universitário mas sempre calcado no tripé: sanfona, triângulo e zabumba. A base sonora clássica, comandada por Cezinha, é reforçada pela banda formada basicamente por guitarra/violão (Marcos Arcanjo), bateria (Tostão Queiroga), percussão (Anjo Caldas), pad (Zé Américo) e contrabaixo/baixo acústico (Fofão).

As participações do maestro Spok no sax alto, que comanda a orquestra pernambucana que leva seu nome, assim como Nilsinho, da Trombonada e outros dois músicos no trompete e sax tenor são os responsáveis pelos naipes de metais injetados em “Não Lhe Solto Mais” (Antonio Barros/Ceceu), “Se Tu Quiser” (Xico Bezerra) e “Bebedouro”.

“Fuxico”, do compositor do sertão do Araripe, Flávio Leandro, já com oito CDs gravados, abre o disco como legítima representante do legado de Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro. Em “Um Baião Chamado Saudade”, da dupla pernambucana Petrônio Amorim e Rogério Rangel, a sanfona chorada abriga os versos que falam de amor. A canção “Recado”, por sua vez, de Cezinha e Fábio Simões, é considerada pela cantora como uma das mais bonitas do disco. O título do álbum foi pincelado da faixa “Oferendar” (Xico Bezerra) que lança o verso inspirador: “cantando um balaio de amor pra dar”.

No balaio de Elba, os forrós ganham as nuances da intérprete singular que nunca abandonou a veia de atriz, a mesma que no passado abriu o caminho para a cantora. É no canto que Elba transparece a experiência de quem já percorreu os mais diversos palcos e amadureceu a voz. “Há 30 anos, quando lancei ‘Ave de Prata’ a intérprete vibrante e de timbre marcante já estava lá, mas aprendi a explorar outras regiões vocais; o grave e o médio. A ansiedade da iniciante, que arriscava tudo, deu lugar para uma artista mais serena e dona da arte do seu ofício”, avalia, com satisfação.

Music Hall – Sexta-feira – Dia 30 de outubro
Elba Ramalho

Abertura: Trio Clandestino
Abertura da casa – 22 horas.

Ingressos: (VALORES SUJEITOS A ALTERAÇÕES SEM AVISO PRÉVIO, CONFORME OS LOTES SE ESGOTEM)

Pista
1º lote – R$ 40,00 (inteira) / R$ 20,00 (meia)
2º lote – R$ 60,00 (inteira) / R$ 30,00 (meia)

Mesa*
1º lote – R$ 50,00 (inteira)
2º lote – R$ 60,00 (inteira)
3º lote – R$ 70,00 (inteira)
4º lote – R$ 80,00 (inteira)

* Valor Individual. Não há meia entrada para este setor.

Classificação Etária: 18 anos.

Venda de Ingressos: Bilheteria do Music Hall, de segunda a sábado, das 12 às 20 horas (Avenida do Contorno, 3239 – Santa Efigênia); loja 5ª Avenida (27C no 3º piso), Leitura Megastore BH Shopping, pelo site http://www.ingressorapido.com.br e telefone 4003-1212.

Meia-entrada: De acordo com Recomendação do Ministério Público, a meia-entrada é válida para estudantes mediante a apresentação da carteira de estudante válida, acompanhada de comprovante de matrícula e/ou freqüência – será exigido na compra do ingresso e na entrada da Casa. Está limitada a 30% dos ingressos disponíveis, não se aplicando às áreas Vip e Camarotes.

Outras informações – Telefone: 3461 4000 e http://www.musichallbh.com.br
Assessoria de Imprensa BH – CL Assessoria em Comunicação – 3274 8907

Brasileiro, Profissão Esperança

14/10/2009 às 21:36 | Publicado em Música, Teatro | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Espetáculo que passeia por cinqüenta anos da história brasileira recebe adaptação de Pedro Paulo Cava para temporada no Teatro da Cidade

BRASILEIRO, PROFISSÌO ESPERAN‚A

No dia 22 de outubro, no Teatro da Cidade (Rua da Bahia, 1341, Lourdes), estréia o novo espetáculo do diretor e dramaturgo mineiro Pedro Paulo Cava: Brasileiro, Profissão Esperança. Depois dos belíssimos musicais “Na Era do Rádio”, “Estrela Dalva” e “Mulheres de Hollanda”, agora, o diretor homenageia dois ícones da canção brasileira: Dolores Duran e Antonio Maria.  As apresentações ocorrem as sextas e sábados às 20h30 e aos domingos às 19 horas.

No palco, estarão a cantora e atriz Rose Brant e o ator Mário César Camargo, acompanhados pelos músicos Marcelo Drumond (piano e violão) e Yuri Hunas (percussão).

Brasileiro, Profissão Esperança foi originalmente escrito em 1966 por Paulo Pontes, um dos mais férteis escritores brasileiros, precocemente morto. A peça teve várias montagens, sendo a principal versão estrelada por Paulo Gracindo e Clara Nunes nos anos 70. Nessa montagem, o texto já havia sido modificado pelo próprio autor em função das novidades da década e do enfoque político-social.

BRASILEIRO, PROFISSÌO ESPERAN‚A

Hoje, quarenta e três anos depois, o texto continua fiel à sua origem, que é retratar um momento da música popular brasileira e os costumes dos anos dourados e de chumbo das décadas de 50, 60 e 70. No entanto, Pedro Paulo Cava explica que o espetáculo é uma nova leitura, apesar deste resgate a acontecimentos passados.

A atualização foi possível devido ao uso de linguagens, recursos e fatos importantes dos dias de hoje. “Por toda esta distância no tempo, resolvi usar recursos didáticos como as projeções durante o espetáculo; fazer uma visita histórica àquela época nas páginas do programa e na divulgação; e me apossar da vida e obra de Dolores Duran e Antonio Maria, como ponto de partida para explicar as transformações pelas quais passamos, até chegar aqui hoje, no terceiro milênio. Acrescentei também músicas de vários autores da MPB que vieram após Dolores e Maria, como Chico Buarque, Vinicius de Moraes, Vandré, Caetano Veloso, Edu Lobo, Milton Nascimento e Fernando Brant”, conta o diretor.

BRASILEIRO, PROFISSÌO ESPERAN‚A

Segundo ele, as adaptações realizadas no espetáculo servem para mostrar que a música e o teatro ainda conseguem se indignar diante do mundo que os cerca e que, independente da época em que foram feitas, as canções que estão no inconsciente coletivo do brasileiro são eternas.  “Às vezes triste, às vezes tragicômico, Brasileiro, Profissão Esperança ainda retrata a alma latina deste nosso povo tão espoliado e que consegue cantar. E, cantando, vai levando a vida da forma que pode, já que as mudanças nas estruturas parecem coisa inatingível depois de mais de 150 anos de cristalização e domínio do que existe de pior nas elites brasileiras: o seu desprezo pelo povo e seu profundo descaso pela nossa memória e pelas nossas raízes culturais”, diz Cava.

A direção musical da peça é de Fernando Muzzi, figurinos e cenário de Décio Noviello, preparação corporal de Dulce Beltrão e preparação vocal de Luciana Monteiro de Castro e Valéria Braga. A produção executiva de Ana Gusmão e programação visual de Gustavo Lima. Trilha sonora, adaptação, dramaturgia e direção de Pedro Paulo Cava.

“O Brasil e o mundo mudaram muito nesse período, mas um texto que fala do amor, da paixão e de política será sempre  atual”.
Pedro Paulo Cava

“Brasileiro, Profissão Esperança”
De 22 de outubro a 13 de dezembro
Horário: Sexta e Sábado às 20h30 e Domingos às 19 horas
Preço dos Ingressos
Sextas e domingos R$30 (inteira) | R$15 (meia)
Sábados R$40 (inteira) | R$20 (meia)
Classificação: 12 anos
Informações: (31) 3273-1050
http://www.teatrodacidade.com.br
teatrodacidade@teatrodacidade.com.br

Assessoria de Imprensa – CL Assessoria em Comunicação 3274 8907- Christina Lima e Aline Gonçalves

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.